Criação com amor | Maternamos
maternamos-criacao-com-amor

Criação com amor

Será que toda criação é feita com amor, já que podemos dizer que quase todas as mães amam os seus filhos? Infelizmente acredito que não, pois amar é uma coisa, mas fazer a criança saber que é amada é outra coisa totalmente diferente.

Acredito que existem muitas formas de transmitir amor à criança, como presença (não apenas presença física, mas olhar no olho, prestar atenção), gestos de carinho, paciência, não-violência (verbal e física) e também oferecer limites, educação, segurança. E claro, acho que dizer “eu te amo” também é muito legal. Fazemos isso com a cara metade, por que não dizer aos filhos vez ou outra?

Muito se fala hoje em criação com apego… Seria aquela educação com bastante afeto e presença. Mas eu não gosto muito do termo “apego” pois me remete a se apegar a algo. E eu luto diariamente para tentar criar meu filho para ele e não para mim. Eu tento não me apegar, tento deixar ele ter um bom relacionamento com outras pessoas, embora não seja sempre fácil compartilhar meu bebê com o mundo.

Por isso eu criei esta seção “Criação com Amor” no Maternamos. Para refletirmos de que forma podemos criar nossos filhos amorosamente. Sem perder de vista que nosso filho não é nossa propriedade, mas um ser humano dono de si. Por isso vocês não verão fotos do meu bebê nem vou citar o nome dele aqui. Afinal, ele é ainda um bebê e eu não posso perguntar a ele se ele autoriza!

É interessante levar em conta que cada pessoa tem uma noção diferente do que é amor. Por exemplo, tem gente que se sente amada se alguém lembra do seu aniversário. Tem gente que nem liga para isso. Logicamente, cada um vai amar seus filhos de acordo com suas próprias regras do que é amor. Se eu amo aniversários, vou querer fazer uma festona para meus filhos! Mas não custa, às vezes, refletir sobre este assunto.

O que é amor para mim? De que forma é interessante passar isso para as crianças? Parece muito filosófico, mas é importante não fazer as coisas no modo automático. Ao refletir, podemos perceber que estamos usando ferramentas erradas, podemos identificar padrões que gostaríamos de mudar. Imagine se eu perceber que estou sendo muito permissiva, por achar que amar é nunca dizer não… enfim, exemplos não faltam. Quando disse que não quero divulgar a imagem do meu filho sem autorização, significa apenas que, para mim, amar é preservar a privacidade!

O fato é que todos nós crescemos procurando essa sensação gostosa que é ser amado. E quando somos amados pela nossa mãe, nos sentimos mais valiosos, nossa auto-estima é maior e provavelmente vamos procurar relacionamentos saudáveis na vida adulta. Transmitir este amor para eles é o grande presente que eles vão carregar por toda a vida.

 

 

No Comments

Post a Comment