Alimentação de gestantes - entrevista com a nutricionista | Maternamos
quandomy

Maternamos entrevista Nutricionista Natália Valentim Ferreiro – Alimentação para Gestantes

Quando estamos grávidas, muita gente fica preocupada com o nosso ganho de peso – inclusive os familiares e até mesmo o obstetra! Mas será que a questão do peso é realmente o ponto mais importante no que diz respeito à alimentação de uma gestante? Com certeza não! Para esclarecer este ponto e passar dicas práticas de boa alimentação, conversei com a nutricionista Natália Valentim Ferreiro, especializada no atendimento de gestantes e bebês BLW! Detalhe, ela também está gravidíssima! Confira no vídeo a entrevista e mais abaixo os principais pontos da nossa conversa!

  • Importância da alimentação na saúde mãe-bebê – A maior fase de crescimento e desenvolvimento de um ser ocorre na fase intrauterina. Então a oferta de nutrientes está diretamente ligada ao estado nutricional da mãe pela capacidade da placenta de transferir esses nutrientes ao feto. Este não é o momento para regimes de emagrecimento ou para comer tudo que temos vontade. É momento de pensarmos no ser que estamos gerando e em tudo que ele precisa para se desenvolver de forma saudável. Não queremos criar sobreviventes nesse mundo e sim pessoas felizes e com saúde plena! Para mulheres com peso adequado, o ganho de 10 a 15kg na gestação é adequado, e para mulheres acima do peso, de 7 a 11kg. Então planeje a gestação e inicie os cuidados alimentares antes de engravidar!
  • O que é epigenética? É o estudo das mudanças na atividade do gene. Alguns fatores da nossa dieta podem afetar a estrutura do DNA (mas sem alterar a sequência dos genes). Esta mudança que ocorre na estrutura causa alterações chamadas epigenéticas que favorecem ou previnem a ocorrência de doenças na fase adulta, e a nutrição materna tem papel essencial nessa alteração. Então ela deve ser adequada em calorias, gorduras, proteínas, carboidratos, vitaminas e minerais, dentro das recomendações, e assim diminuir o risco de doenças no novo serzinho em formação. É ai que vem a importância da alimentação personalizada, principalmente por ser um componente que vai colaborar para um padrão alimentar cada vez mais saudável.
  • Influência da alimentação materna no paladar do bebê – Os alimentos consumidos pela mãe vão influenciar  a formação da dentição do bebÊ e também o desenvolvimento do paladar e olfato que começam a se desenvolver por volta do quarto mês. Os estudos indicam que se a mãe consome muito açúcar a criança tende a gostar de mais de doces. Um estudo na França do Centro Europeu para Ciências do Paladar comprovou com experiência marcante: um grupo de futuras mães consumiram bala de anis durante as últimas semanas de gestação. Assim que as crianças nasceram, o pesquisador deu aos bebês  uma amostra de essência de anis para cheirarem, todos os bebes ficaram imediatamente alegres e mexendo a boca como se estivessem lambendo ou sugando, já os recém nascidos das mães que não consumiram a bala, faziam caretas choravam ou não manifestavam nenhuma reação.
  • Dicas de alimentação por trimestre de gestação – O Plano Alimentar e suplementação da Gestante deve sempre ser individualizada, e vai mudando conforme o período da gestação tanto em calorias quanto em necessidade de nutrientes. Todos eles são essenciais na gestação e ao longo da vida, mas vamos dar ênfase em alguns:

Primeiro trimestre

Ácido fólico (B9) papel importante na formação do DNA e RNA, formação de hemácias e leucócitos da medula óssea, previne defeitos do tubo neural. A falta pode levar  a aborto espontâneo, retardo do crescimento intrauterino (encontrado em fígado, feijão,espinafre, aspargo e brócolos, carne bovina)

Vitamina A: desenvolvimento do coração olhos e ouvidos, a falta está ligado a defeitos congênitos cerebrais, oculares, auditivos e cardiovascular (encontrada em óleo de peixe, batata doce, frutas, vegetais laranjas e amarelos)

Segundo trimestre

Ferro: É essencial para sistema imunológico, prevenção de anemia na mãe no bebê – a deficiência está ligada ao aumento da mortalidade e prematuridade (encontrado em carnes vermelhas e brancas, gema de ovo, leguminosas, verdes escuros). Consumir junto com vitamina C, que aumenta a absorção.

Cálcio: ocorre aumento na absorção intestinal e intensa deposição no esqueleto fetal no terceiro trimestre. Sua falta está ligada a prejuízos no crescimento e desenvolvimento fetal, contrações prematuras e precipitação do parto (encontrado em produtos lácteos, tofu, quinoa, repolho, couve, gergelim, sardinha, talos de vegetais)

Omega-3: previne danos cerebrais causado por inflamação

Terceiro trimestre

Magnésio reduz pressão sanguínea e melhora função cardíaca, junto com B6 reduz  a depressão, alteração de humor (encontrado em leguminosas, sementes, nozes, grãos de cereais, tofu, folhas verdes escuras, peixe, carnes bovinas)

  • Alimentos proibidos na gestação – Cigarro, álcool, drogas ilícitas – esses podem levar à deficiência no crescimento pré e pós natal, maior risco de problemas respiratórios, danos no sistema nervoso central causando anomalias neurológicas, cranioencefálica. Algumas ervas, como hibisco, podem ser abortivas.
  • Orientações gerais:

– Não enxergar alimento como fonte calórica e sim fonte de nutrientes; manter hábitos alimentares saudáveis; ingerir alimentos com intervalos de 2 e 2h30.

– almoço e jantar consumir Carboidratos integrais; leguminosas (feijões), proteína animal (vegetarianos ou veganas deve ter suplementação individualizada); legumes verduras e frutas.

– Ingerir de 4 a 5 porções de fruta ao longo do dia, evitar sucos.

– Consumir verduras e legumes in natura

– Preferir alimentos orgânicos, livres de agrotóxicos

– Beber 3 litros de água ao dia

– Utilizar temperos naturais

 

Gostou desta entrevista? Então compartilhe! E tenha uma linda gestação.

Até breve!

No Comments

Post a Comment